sábado, 19 de julho de 2014

Vamos Aprender Como Ter Cuidados com os Macaquinhos.

http://thomazinho.kitpilotoautomatico.com
Na qualidade de estabelecer melhor a analogia na nossa istoria entre o macaquinho e os processos que atribui e controla tarefas, devemos voltar urgentemente a programação ou agenda de compromissos do administrador, onde ele determina as regras objetivas que regulamenta os "tratamento e a alimentação dos macaquinhos". Na violação dessas regras o tempo discricionário será prejudicado.

Regra I - Nossos macaquinhos deverão ter morte a tiros ou ter bons tratamentos. Caso contrario eles morrem de fome e o Supervisor perderá seu valioso tempo devido as fúnebres cerimônias.

Regra 2 - O Supervisor tem capacidade de cuidar de apenas um determinado numero de macaquinhos, esse limite não deve ser excedido. Os subordinados estarão sempre criando quantos macaquinhos o supervisor tiver tempo para cuidar. O tempo para cuidar de cada macaquinho deve ser de mais ou menso 10 ou 15 minutos.

Regra 3 - A alimentação na base do "Deus nos Acuda" deve ser evitado, o administrador não deve cuidar que macacos que estejam morrendo.

Regra 4 - Os macacos não devem ser tratados nunca por escrito, devem sempre ser pessoalmente ou por telefone.

Regra 5 - Os macaquinhos devem serrem alimentados sempre com hora marcada bem como um grau de iniciativa. Eles devem ser revisados sempre, e de comum acordo, não devem nunca ser vagos ou indefinidos. Senão, o macaco morre de inanição ou termina nas costas do administrador.

Conclusão: Mantenha sempre o controle dos prazos e do tipo de ação que deve ser tomado. Esse conselho é um  elemento válido para gerir tempo administrativo. Para diminuir o tempo imposto por seus subordinados o administrador deverá aumentar o seu tempo discricionário.

O administrador deve utilizar parte de seu tempo discricionário para assegurar que seus subordinados tenham a suficiente iniciativa sem a qual o administrador não pode exercer sua atividade, mas deve certificar-se que tal iniciativa deva ser tomada.

Deve também usar a outra parte de seu tempo discricionário, agora mais amplo, para controlar os prazos e as exigências de seus subordinados e ou da organização.

Por fim sabemos que o administrador terá aumentado sua influência pessoal, o que, por sua vez, terá a certeza de que aumente, sem limites teóricos, a importância de cada minuto de tempo que vai despender, organizando o seu tempo na administração.

Extraído da Biblioteca Harward de Administração de Empresas.




sábado, 7 de junho de 2014

Como Transferir a Iniciativa!

http://www.webdireta.com.br/thomazinho
O que estivemos tentando fazer com esta analogia do "Macaquinho nas Costas" é transferir a iniciativa do Gerente para seus subordinados e mantê-la aí. Procuramos ressaltar um truísmo tão evidente quanto sutil. Ou seja, antes que um Gerente possa criar o senso de iniciativa em seus subordinados, deverá assegurar-se de que eles têm iniciativa. Se ele a tirar deles, não mais a terão e então ele pode perfeitamente dar adeus ao seu "Tempo Discricionário". Voltará, todo ele, a ser "Tempo Imposto pelos Subordinados". Também não é possível que ambos, Gerente e subordinado, tomem a mesma iniciativa ao mesmo tempo. O clássico inicio de conversa. "Chefe, temos um pequeno problema", dá a entender essa dualidade e apresenta, conforme já ressaltado anteriormente, que há um "Macaquinho" empoleirado nas costas de cada um, o que é uma forma muito ruim de abordar qualquer assunto. Por isso, tomemos alguns minutos para examinar o que preferimos chamar de "Anatomia de Iniciativa Administrativa".

Existem quatro graus de iniciativa que um Administrador pode exercer em relação ao Superior e á Organização:

1. Espere até ser chamado (Mínima iniciativa);
2. Pergunte o que deve fazer;
3. Recomende, depois tome a ação resultante;
4. Aja, mas informe normalmente (máxima iniciativa).

Evidentemente, o Administrador deve ser suficientemente profissional para não tomar as iniciativas 1 e 2, quer seja em relação aos Supervisores ou á Organização. Um Administrador que se vale da iniciativa  1 não pode controlar os prazos nem o tipo de aproveitamento do tempo imposto pelo supervisor ou pela organização.

Por conseguinte, ele abre mão de todo e qualquer direito de reclamar daquilo que lhe é mandado fazer ou da hora em que deve fazê-lo. O Gerente que toma a iniciativa 2 pode controlar os prazos, porém não o aproveitamento do tempo. As iniciativas 3 e 4 deixam o Administrador com condições de controlar ambas as coisas, sendo que o maior controle é o nível 4.

A função do Gerente, em relação ás iniciativas tomadas por seus subordinados, é dupla: primeiro, a de descartar o uso das iniciativas 1 e 2, forçando seus subordinados a aprenderem a dominar o "Trabalho em Equipe"; ou então para certificar-se de que para cada problema ou "Macaco" que sai de sua sala existe um nível estipulado de iniciativa que lhe é atribuído, além de prazo e local preestabelecido para a reunião posterior entre o Gerente e o subordinado. Isso deve ser devidamente anotado na agenda do Gerente.

Extraído do Ebook "Administração do Tempo de Fernando Augusto"


sábado, 31 de maio de 2014

Como nos livrar doa Macaquinhos.

O Gerente volta ao escritório, Segunda Feira de manhã, em tempo para permitir que seus quatro subordinados se reúnam na ante sala para vê-lo ás voltas com os "Macaquinhos" que lhe colocaram nas costas. Ele os chama á sua sala, um por vez. A finalidade de cada entrevista é a de pegar um macaquinho, colocá-lo jeitosamente sobre a mesa entre eles e, em conjunto, imaginar de que modo a providência seguinte poderá ficar por conta do subordinado. Em certos casos, isso pode ser uma tremenda dureza.

A próxima providência, por parte do subordinado, poderá ser definida de maneira tão vaga e indecifrável por este que o Gerente resolva - pelo menos por enquanto - deixar 0 macaquinho passar a noite nas costas do subordinado, fazendo com que este o traga de volta no dia seguinte, a uma determinada hora, para continuarem a discussão em conjunto, e só então seja tomada uma deliberação mais concreta por parte do subordinado.

É bom que se diga que os macacos costumam dormir tão bem nas costas ou nos ombros dos subordinados quanto nas costas de seus superiores.

Á medida que os subordinados vão deixando a sala, o Gerente é recompensado pela visão dos macaquinhos saindo de seu escritório, montados nas costas de cada subordinado. Durante as 24 horas seguintes, o subordinado não ficará esperando, mas sim o Gerente é que estará aguardando o subalterno.

Mais tarde, como se fosse para lembrar-se de que não existe nenhuma lei que o proíba de dedicar-se a um exercício saudável e útil nesse meio tempo, o Gerente passa pelas salas de seus subordinados, dá uma espiadinha pela porta e, jovialmente, pergunta: "Como vai a coisa, rapazes?"

O tempo gasto com isso é Discricionário para o Gerente e imposto pelo supervisor para o subordinado (parece que algumas coisas estão começando a entrar nos eixos...)

Quando o subordinado (com o "macaco" ás costas e o Gerente se reúnem á hora aprazada do dia seguinte, o Gerente explica quais são os regulamentos, mais ou menos assim: "De maneira alguma, enquanto eu o estiver ajudando nesta ou em qualquer outra questão, o seu problema se tornará meu problema. No momento em que o seu problema se tornar meu, você não mais terá um problema em suas mãos. E eu não posso ajudar quem não tem problemas, certo? Portanto, quando esta reunião se encerrar, o problema seirá desta sala exatamente da mesma forma como entrou - nos seus ombros. Você poderá pedir a minha ajuda a qualquer momento e nós tomaremos uma decisão conjunta sobre qual será a próxima providência a ser tomada e qual dos dois a tomará".
Nos raros casos em que a providência seguinte couber a mim, você e eu estabeleceremos isso de comum acordo. Portanto, fica entendido que eu não tomarei nenhuma providência sozinho!

O Gerente segue esta mesma linha de pensamento com cada um de seus subordinados até que lá pelas 11 horas da manhã percebe que não precisa mais manter a porta fechada. Seus "macaquinhos' desapareceram quase todos. Eles poderão voltar - mas somente com hora marcada. Sua agenda de compromissos vai cuidar disso, doravante.

Artigo extraído do ebook "Administração do Tempo" de Fernando Augusto




domingo, 25 de maio de 2014

Quem trabalha para quem afinal!

http://www.webdireta.com.br/wd.php?thomazinho
Para tornar o que se segue mais verossímil, admitamos que estes quatro subordinados sejam tão ciosos como o tempo do Gerente que se esforcem a fim de que não mais de três "Macaquinhos" pulem das costas de cada um para as do chefe num mesmo dia de trabalho. Em uma semana de cinco dias, então, o Gerente terá ficado com sessenta "macaquinhos" esganiçados - o que é demais para que o coitado possa tratar de todos eles, um de cada vez. Portanto, o Gerente gasta o "tempo imposto por seus subordinados" jogando pra lá e pra cá com suas "Prioridades".

Na Sexta-feira á tardinha o Gerente encontra-se em sua sala, com a porta fechada para poder ter o necessário sossego e poder pensar na situação, enquanto seus subordinados aguardam, do outro lado, por uma última chance de lembrar-lhe, antes do fim da semana, que ele deverá "assobiar e chupar cana".

Imagine só o que estão dizendo, um ao outro, enquanto esperam para dar aquela palavrinha com o Gerente: "Que chateação... O homem não é capaz de tomar uma decisão... Como é que alguém consegue chegar aquela posição na empresa sem capacidade de decidir coisa alguma. É o que ninguém entende..."

O pior de tudo é que a razão pela qual o Gerente não pode tomar nenhuma decisão das "providências do "big boss" ou da própria organização. Para poder controlar tais exigências, ele precisa de tempo discricionário que, por sua vez, lhe é negado quando está ás voltas com todos casos "macaquinhos", Enfim, o Gerente fica preso a um verdadeiro circulo vicioso.

Mas o tempo está sendo perdido (o que não é bem verdade).

O Gerente administrativo chama a secretária pelo interfone e a instrui a dizer a seus subordinados que não poderá vê-los até segunda-feira pela manhã. Às 8 horas da noite ele vai para casa, com firme propósito de voltar ao escritório no dia seguinte e passar o fim de semana trabalhando. Retorna ao escritório bem disposto na manhã de sábado apenas para ver, no campinho de futebol que fica do outro lado da rua e que pode ser visto da janela de seu escritório, adivinhe quem está batendo uma bolinha e tomando umas cervejas?

http://www.webdireta.com.br/thomazinho
Era só o que faltava! Agora ele ficou sabendo quem realmente trabalha para quem. Além do mais, agora entende que, se conseguir realizar neste fim de semana tudo aquilo que veio decidido a fazer, a moral de seus subordinados se elevará tanto que eles aumentarão tranquilamente o número de "macaquinhos" que no futuro deixarão saltar para as costas do Gerente. Em suma, ele compreende agora, com a nitidez de uma revelação num monte sagrado, que quanto mais se aprofundar no trabalho mais e mais ficará atrasado no atendimento dos problemas. Ele então deixa o escritório com a pressa de quem vai tirar o pai da forca.

http://www.webdireta.com.br/thomazinho
O que pretende? Envolver-se de corpo e alma em algo que há muitos anos não tem tido tempo de fazer : passar um fim de semana inteirinho com a família (esta é uma das muitas alternativas de utilização do "tempo discricionário").

Na noite de Domingo ele assiste ao "Sai de Baixo" sem culpa e permite-se aproveitar 8 horas de sono tranquilo e imperturbável, porque já tem planos bem definidos para segunda feira. Resolveu livrar-se do !Tempo imposto por seus subordinados". Em troca, vai conseguir o equivalente em "tempo discricionário", parte do qual passará com seus subordinados para que estes aprendam a difícil, porém compensadora, arte de "Como Cuidar de Macacos".

http://www.webdireta.com.br/thomazinho
O Gerente também terá bastante tempo discricionário á sua disposição para controlar o cronograma e a espécie não só do tempo que lhe é exigido pelo "big boss", mas também do tempo que lhe é exigido pela empresa. Tudo isso poderá levar vários meses; porém, quando comparado com a maneira como as coisas iam antes, as compensações são enormes. O seu objetivo final é o de gerir seu próprio tempo administrativo.









sábado, 17 de maio de 2014

Afinal Onde está o Macaquinho?

http://www.webdireta.com.br/thomazinho/shop_index.php
Vamos imaginar que o administrador esteja atravessando o corredor e nota que um de seus subordinados, o Sr. Fulano, vem vindo em sentido contrário. Quando os dois se cruzam, o Sr. Fulano cumprimenta amavelmente o Gerente, dizendo: "Bom dia!... A propósito, temos um pequeno problema. Sabe como é..."

À medida que o Sr. Fulano vai falando, o Gerente descobre nesse problema os mesmos dois aspectos fundamentais que caracterizam todas as questões que seus subordinados graciosamente lhe trazem á atenção. Isto é:

Ele já sabe de sobra o que acontece para compreender a situação mas... Não sabe o suficiente para tomar uma decisão ali mesmo, o que seria a atitude esperada dele. Após algum tempo, o Gerente diz: "Foi bom você ter trazido isso ao meu conhecimento. Só que estou com muita pressa no momento. Deixe-me pensar um pouco no assunto e eu o aviso em seguida". Cada qual segue seu rumo.

Analisemos o que acaba de ocorrer. Antes de os dois se encontrarem, com quem estava o "Macaquinho"? Com o subordinado, é claro. Mas, depois que se separaram, com quem ficou? Com o Gerente. Portanto, o "tempo imposto pelo subordinado" começa no momento em que o "Macaquinho" consegue pular das costas do subordinado para as costas do seu supervisor, e o pior é que não termina enquanto o "Macaco" não voltar ao seu dono para ser tratado e devidamente alimentado.

Ao aceitar o "Macaco" nas costas, o Gerente, voluntariamente, assume a posição de subordinado do seu subordinado. Ou seja, ele permite que o Sr. Fulano o faça de seu próprio subordinado ao realizar duas coisas que um subordinado geralmente deve fazer para seu chefe - o administrador tirou a responsabilidade das costas de seu auxiliar e prometeu-lhe que faria um relatório sobre as providências cabíveis.

O subordinado, para certificar-se de que o Gerente não deixou de compreender tudo direitinho, dará um pulo a sala e cordialmente lhe indagará: "Então, como vai a coisa, chefe?" (a isso se chama supervisão...).

Ou então, imaginemos que, ao encerrar-se uma reuinião de rotina com um outro subordinado, Sr. Beltrano, o Gerente administrativo lhe diga: "Ótimo. Mande-me um memorando sobre isso aí"

Analisemos este caso. O "macaco" está nesse dado momento nas costas do subordinado porque a próxima providência é dele. Porém, o ágil "Macaquinho" já está preparando o pulo... Olhe só que danado! O Sr. Beltrano obedientemente elabora o memorando solicitado e o coloca em sua caixa de saída. Pouco depois, o Gerente o retira de sua caixa de entrada e o lê com atenção. De quem é a vez agora? Do Gerente administrativo, é claro! Se ele não tomar uma providência logo mais, receberá um outro "memo" de seu subordinado, cobrando a coisa (essa é uma outra forma de supervisão). E quanto mais o Gerente demorar em responder, tanto mais frustrado ficará seu subordinado (este ficará "dando tratos a bola") e mais culpado o Gerente se sentirá (seu atraso no "tempo imposto pelos subordinados" estará aumentando cada vez mais).

Suponhamos, por outro lado, que numa reunião com o Sr. Sicrano, o Gerente concorde em fornecer-lhe todo apoio num plano de relações públicas que acaba de solicitar-lhe. As palavras finais do Gerente ao Sr. Sicrano são: "Avise-me de que forma posso ajudá-lo nisso, está bem?"

Agora examinemos a situação. Neste caso o "macaquinho" inicialmente encontra-se nas costas do subordinado. Mas, por quanto tempo? O Sr. Sicrano entende perfeitamente que não pode desenvolver o plano até que a sua proposta receba a aprovação do Gerente. E, por experiência própria, também sabe que sua proposta com certeza ficará arquivada na pasta do Gerente por várias semanas, aguardando que o chefe, com tempo, chegue até lá. Quem é que realmente está com o "Macaquinho", então? Quem estará cobrando de quem? Haverá muita "fundição de cuca" e novo atraso nas providências, uma vez mais.

Outro subordinado, o Sr. De Tal, acaba de ser transferido de um outro departamento, a fim de lançar e posteriormente administrar um projeto recém-criado. O Gerente disse-lhe que deveriam reunir-se logo mais, a fim de estabelecer uma série de objetivos para o cargo, e que "farei um esforço inicial para discutirmos então a questão"

Ora, analisemos este caso também. O subordinado assume o novo cargo (por nomeação efetiva) e toma a si toda a responsabilidade (por delegação efetiva), só que a providência seguinte cabe ao Gerente administrativo. Enquanto ele não a tomar, estará com o "Macaquinho" nas costas e o subordinado ficará de braços cruzados...

Mas porque as coisas são assim? Porque em cada um dos casos o Gerente e o subordinado entendem logo de cara, consciente ou inconscientemente, que o tema em questão é um problema conjunto. O "macaco" em cada caso começa montado habilmente nas costas de ambos. Tudo o que tem a fazer agora é mexer a perna errada e pronto! o subordinado habilmente tira o corpo fora. O Gerente fica, assim, com mais um bicho em sua coleção. Claro que macacos podem ser ensinados a não movimentar a perna errada. Mas é bem mais fácil evitar que ele suba nas costas , para inicio de conversa.

Extraido do Ebook "Administração do Tempo" de Fernando Augusto.

Se você gostou deste artigo por gentileza compartilhe com seus amigos.

Shopping Web Direta

Biorritmo



domingo, 11 de maio de 2014

De Quem é a culpa?

http://www.webdireta.com.br/thomazinho
Esta é uma parte da "Estória dos macaquinhos", ou seja, da delegação PARA CIMA, PARA O LADO ou PARA BAIXO, para sua reflexão. Este artigo foi cedido a muitos anos atrás pelo consultor e amigo Renato Bernhoeft.

Observe, em seu dia-a-dia nas próximas 4 (quatro) semanas, quantos e quais simpáticos macaquinhos você está carregando e reflita por que nunca parece haver tempo suficiente para realizar tudo o que necessita ser feito.

Porque razão os administradores não têm tempo para nada, enquanto seus subordinados nada têm a fazer? Neste artigo vamos analisar a fundo o significado do tempo na administração, no que tange ao inter-relacionamento do administrador com seu "Big boss" (como chamaremos o chefe maior) e com seus subordinados.

Mais especificamente, vamos tratar aqui de três tipos diversos de tempo do administrador, a saber:

O tempo imposto pelo superior - para execução das atividades exigidas pelo superior e que o administrador não pode menosprezar sem sofrer uma admoestação direta e imediata.

O tempo imposto pela organização - para atender aos pedidos formulados ao administrador, para um apoio efetivo aos seus colegas. Essa ajuda também deve ser proporcionada, sob pena de ocorrerem admoestações, embora nem sempre diretas e imediatas.

O tempo imposto por ele mesmo - para realizar aquilo que o administrador criar ou resolver por conta própria. Uma parte deste tipo de tempo, porém, será tomada por seus subordinados e é chamada de "tempo imposto pelo subordinados". O tempo restante será todo seu e é chamado "tempo discricionário", imposto por seu livre arbítrio. O tempo autoimposto não está sujeito a nenhuma imposição externa, pois nem o "big boss" nem a organização podem repreender o administrador por não fazer o que eles nem sabiam que ele tencionava realizar.

A perfeita administração do tempo exige que o administrador tenha controle da programação ou cronograma de suas funções. Uma vez que aquilo que o "big boss" e a organização lhe impõem está apoiado nos regulamentos internos, ele não pode brincar com tais exigências. Portanto, o tempo que ele impõe a si próprio se torna seu principal motivo de preocupação.

A estratégia do administrador será. por conseguinte, a de aumentar o componente "discricionário" do tempo autoimposto, minimizando ou eliminando o componente "subordinado". Ele se valerá, então, do incremento adicional a fim de manter um controle mais efetivo das atividades que lhe são impostas pelo "big boss" e pela organização. A maioria dos Gerentes despendem muito mais do "tempo imposto pelo subordinado" do que podem imaginar.

Assim sendo, vamos utilizar aqui a analogia do "macaquinho" 9isto é, o problema) para analisar de que forma surge o tempo imposto pelos subordinados e o que o administrador pode fazer no sentido de evitá-lo.

Extraído do ebook: Administração do Tempo de Fernando Augusto.








domingo, 20 de abril de 2014

Como Contornar Seu Parceiro O Tempo!

http://www.webdireta.com.br/thomazinho
Administração do tempo é um assunto que há anos vem sendo tratado pela ciência do desenvolvimento humano, dentro de diversas atividades, seminários, cursos e publicações em livros, jornais e revistas.

Peter Drucker em seu livro "O Gerente Eficaz", publicado em 1966, já dizia que um gerente eficaz tem que conhecer bem o seu tempo. Nessa publicação, Drucker reserva um capitulo sobre administração do tempo.

Mas, mesmo assim, muitos gerentes e executivos hoje consideram o tempo como um inimigo que tem que ser enfrentado no campo de batalha. Desta forma, grande parte dos executivos tentam dominar racionalmente o tempo e este escapa pelos dedos, ou melhor, pela vida, com a facilidade de um pulo de gato.

Mas qual é o pulo do gato na administração do tempo?
A resposta é simplesmente considerá-lo como parceiro, não em um campo de guerra, mas em Parceiro na Vida. Com o objetivo primeiro de uma melhor qualidade de vida e, consequentemente, uma melhor qualidade no trabalho.

O grande avanço tecnológico tende a transformar tudo para instantâneo, a comida, as viagens aéreas, a comunicação e outras coisas mais.

Mas e nós, seres humanos? Correremos atrás tentando ser mais rápidos do que o fax.

Nenhum destes avanços serve se não for para facilitar a nossa vida e, em muitos casos, não é isto que estou vendo e sentindo. Executivos correndo cada vez mais e produzindo menos ou com esforço inútil em trabalhos sem resultados. Ai sim, a vida no trabalho vira uma luta a ser enfrentada como heróis enfartados a guerrear.

Mas voltamos a perguntar: como ter o tempo como parceiro? Listaremos pontos que possam ajudá-los neste desafio:

Pare e faça uma revisão de como você está agindo com o seu tempo. Volte a instrumentos que você leu ou aprendeu em seminários que participou, eles são sempre úteis. Faça um diagnóstico através da seguinte análise do tempo:
  1. Efeito: qual o efeito que o atual uso do meu tempo provoca em mim?
  2. Causa: O que provoca ansiedade? Quais os sentimentos desagradáveis que sinto na minha vida cotidiana?  Exemplo - O trânsito? A mesa cheia de papéis? O entrar e sair de pessoas na minha sala? o relacionamento com os colaboradores? O telefone? Dificuldades Financeiras? 
  • Medidas: Avaliar os pontos prioritários que lhe provocam insatisfação.
  • Buscar  as causas destas situações. 
  • 1º Causas de caráter
  • 2º Individual ( depende de você)
  • 3º Cultural (comportamentos e hábitos da sociedade)
  • 4º Gerencial (sua postura como gestor de equipe)
  • 5º Organizacional (Imposição da empresa)
  • 6º Ambiental (ambiente físico: escritório, casa, etc.) 
Reflita sobre seus objetivos na vida, para facilitá-los trace pequenas metas para atingir cada um deles e coloque prazos.

Focalize as oportunidades (pontos fortes) e as oportunidades surgirão, tornando você muito mais autossuficiente para rebater as influências negativas que aparecerão como contribuição.

Lembre-se que o WORKAHOLIC (pessoa obcecada por trabalho) não tem capacidade de fazer um trabalho com qualidade como aquele executivo que sabe dividir o seu tempo com o trabalho, familia e lazer.

Na administração do tempo como parceiro, a delegação é uma função básica. Delegação é a transferência de responsabilidade (tarefas) e autoridade (poder do subordinado de tomar decisões na tarefa delegada).

Como estão suas reuniões? Quais os resultados? As reuniões são esbanjadoras de tempo imensos. Porém, já que são inevitáveis, é vantajoso nós a conduzirmos de forma mais eficaz e lucrativa possivel.

Evita a procrastinação: comece um trabalho quando você tiver condições de terminá-lo. Saber tomar decisão pode ser aprendido e desenvolvido.

Submeta toda solicitação de seu tempo ao teste de prioridade.

Diga não a uma solicitação inadequada de ajuda, de maneira cordial, mas com firmeza.

Planeje seu trabalho e trabalhe a partir de seu plano: o combate a incêndio é uma forma dispendiosa de fazer as coisas, deixe para os bombeiros.

Lembre-se: a crise é FABRICADA. Saiba das pe3so certo para as tarefas urgentes e importantes. Muitas vezes o urgente não é importante.

Utilize o tempo ganho com a boa administração do seu tempo em projetos e contribuições inovadoras e criativas. Atenção! Não deixe que a rotina absorva novamente este tempo conquistado.

Organiza-se: cuidado com os papéis em sua mesa, procure uma agenda prática e atenção com seus arquivos. Ser organizado acrescenta poder e confiança ás suas ações, fazendo do tempo o seu parceiro e tornando-o um executivo eficaz.

(*) por Euler de Paula Baumgratz - Presidente da ABTD e Diretor da Apis Consultores Organizacionais (Telefax 031-344.4418 - Email  apis@net.em.com.br)



quinta-feira, 10 de abril de 2014

Orientações - Como Fazer Reuniões Criativas.

http://www.prasks.com/thomazinho
Só convoque uma reunião quando for totalmente indispensável. Estabeleça os objetivos. Elabore uma pauta, fixando tempo para cada assunto. Coloque só as pessoas ás quais o assunto interessa. Não castigue os pontuais, premiando os atrasados. Mantenha o rumo da discussão. Designe um participante para secretariar a reunião. Sintetize as conclusões. Faça o acompanhamento de todas as decisões tomadas.

A administração do tempo é uma ferramenta gerencial, que pode ser utilizada tanto nas empresas quanto na nossa via particular, permitindo a organização de metas pessoais e profissionais, com menor dispêndio de energia física e mental. A boa administração do tempo é, provavelmente, o  fator mais importante na administração de si mesmo e do trabalho executado. Ela começa com a auto descoberta, isto é, com a identificação de como utilizamos o nosso tempo, do que não nos satisfaz e do que desejamos mudar.

Dicas para se economizar tempo.

"O tempo uma vez gasto, nunca é recuperado, e ele proporciona oportunidades iguais para todos"

  • Planejamento - Toda hora aplicada em planejamento eficiente poupa três ou quatro na execução e produz melhores resultados; 
  • Organização - A organização é um outro fator facilitador na execução das tarefas;   uma aliada do tempo. Ela deve existir principalmente nas informações;
  • Delegação - Atribuição de tarefas para outras pessoas a fim de liberar o tempo para tarefas mais importantes. É a chave da administração eficaz;
  • Telefone - Use-o para evitar deslocamento desnecessário para obter informações;
  • Comunicação - A linguagem simples, concisa e isenta de ambiguidades assegura a compreensão e poupa o tempo com mal-entendidos;
  • Tomada de decisões - A análise de decisão tem que ser precisa e baseada em informações seguras, para que possa ser atacado o problema, imediatamente;
  • Concentração - Tempo mínimo (anterior a ação) em que se julgar necessário para conseguir progresso em menos tempo.
http://thomazinho.kitpilotoautomatico.com


Economizadores de tempo.

  • Utilização de uma agenda ou um calendário de reuniões;
  • Criação de listas de afazeres;
  • Definição de metas;
  • Manutenção de suas metas em vista;
  • Definição de prioridades;
  • Acompanhamento de prioridades
  • Organização das tarefas;
  • Organização e acesso com rapidez de informações usadas com frequência.

Erros e falhas na administração do tempo.

  • Excesso de tempo em conversações;
  • Consolidação insuficiente de conclusões;
  • Sou o dono do meu tempo. Ele só depende de mim;
  • O subordinado sempre pode me esperar;
  • Nunca vou me tornar escravo do relógio;
  • Não vejo diferença entre o urgente "para ontem" e o importante;
  • Eu faço o tempo: os outros devem fazer o seu tempo, em função do meu;
  • Pela posição que ocupo, não preciso das satisfação do meu tempo para ninguém;
  • Pelo meu grau de responsabilidade perante a empresa, não tenho condições de planejar o meu tempo.

Causas do desperdício do tempo.

  • Falta de Planejamento
  • Falta de Informações Eficientes
  • Falta de Disciplina no cumprimento da agenda
  • Falta de Definição Clara de Objetivos na execução das tarefas
  • Falta de Delegação.
Compromisso com os resultados.

  • Menosprezo ou ênfase inadequada em certas atividades; 
  • Indefinição de prioridades e cobrança incompleta e descontínua;
  • Fragmentação e superficialidade;
  • Excesso de reuniões e burocracia interna;
  • Indefinição de prioridades;
  • Incapacidade de dizer "NÃO";
  • Má utilização dos recursos (telefone, fax, xerox, computador);
  • Centralização de poder;
  • Execução de serviço particular, em horário comercial;
  • Resistência ás mudanças;
Soluções práticas para economizar tempo.

  • Estabeleça metas: anuais, mensais, semanais e diárias;
  • Programe suas tarefas e atividades da semana e do dia, em função dessas metas;
  • Identifique as atividades que levem aos resultados e concentre-se nelas;
  • Faça as coisas em ordem de prioridade;
  • Controle, diariamente, as atividades realizadas e os resultados alcançados;
  • Saiba onde seu tempo é realmente empregado;
  • Estabeleça data e hora para inicio e fim de cada atividade;
  • Elimine desperdiçadores de tempo;
  • Melhore suas rotinas e hábitos de trabalho.
Processos envolvendo reuniões.

  • Custos de ambiente organizacional improdutivo e ineficiente.  Promover a conscientização dos custos reais de reuniões improdutivas e veículos de comunicação organizacional limitados. Gargalos de produtividade em reuniões nas organizações.  Os sete pecados de reuniões improdutivas.
  • Redefinindo o processo de reuniões. Promover discussão sobre os problemas encontrados no processo de reuniões e como solucioná-los. Razões para as pessoas se reunirem. Porque as reuniões são improdutivas?
  • Três níveis de trabalho em grupo e três processos de produtividade. Identificar os níveis de trabalho em grupo e as tecnologias necessárias para suportar estes níveis. Os níveis individual, coordenação e grupo. Os processos de comunicação, pensamento e acesso a informação. 
  • Forças que impulsionam a utilização de Tecnologia da Informação para aumentar a produtividade. Identificar na organização as forças que impulsionam as mudanças. Porque precisamos mudar? (O sucesso de hoje não garante o sucesso de amanhã). 
  • As fases de um processo decisório. Identificar e explorar as fases do processo decisório. Fase de Discussão. Fase de Projeto. Fase de Escolha. Fase de Acompanhamento.
  • A importância do Brainstorming. Promover novas ideias, explorando o fato de que boas ideias são uma fração do número de ideias geradas. A importância de gerar ideias. 
  • Os papéis dos participantes. Explorar a funcionalidade e as responsabilidades dos participantes de uma reunião. O Papel do coordenados. O Papel do relator. O papel do facilitador.
  • Ferramentas para aumentar a produtividade. Análise e exemplificação de algumas ferramentas de tecnologia ou não para auxiliar o processo de reuniões. Estudos de caso. Ferramentas de Groupware. Ferramentas intranet.Procedimentos gerais.
  • Resultados: Fazendo as reuniões produtivas. Avaliação e discussão dos resultados aplicáveis na empresa.
Bibliografia: Alexander, Roy. Guia para a administração do tempo. Rio de Janeiro: Campus 1994, 147 p.
Covey, Stephen R,. Como Definir Prioridades Num Mundo Sem Tempo. Rio de Janeiro; Campus 1994, 453p
Revista de Administração - Volume 19(2) - abril/junho/84 - Pag. 53 a 58.
Costa, Arildo Francisco da. Administração do Tempo. Goiânia: SEBRAE, S.d.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Vendo Apartamento no Morumbi - São Paulo - SP



Alugo Lindo Apartamento com 02 dormitórios (uma suíte), sala com sacada (com vista para a piscina e área verde), cozinha, área de serviço, banheiro social. Tem uma vaga de garagem. AU=61 m2 Excelente localização com todos os melhoramentos. Condomínio = R$ 622,00, IPTU parcelas de R$ 64,22.  Sistema de energia é o cash Power (sistema pré-pago).

Aluguel: R$ 1.800,00
Condomínio: R$ 622,00
IPTU: Parcela de R$ 64,22

Contato: Luiz Antonio (Creci 53025)
Tel. (11) 59256520
Cel. (11) 971194925









sábado, 29 de março de 2014

Ultimas Considerações!

http://www.imagemfolheados.com.br/?a=28238
Mudança Continua: - A melhoria contínua se resume em mudanças constantes. As pessoas têm dificuldade em lidar com mudanças. Os gerentes mais eficazes preferem que o seu pessoal se envolvam com o trabalho. É difícil lidar com a mudança contínua se as metas pessoas e os resultados desejados forem expostos com clareza e revistos periodicamente. Do ponto de vista do PEP (Programa de Eficiência Pessoal) a melhoria da qualidade possui três ingredientes principais:
  1. Identifique o que precisa ser melhorado.
  2. Planeje atitudes para melhorar.
  3. Leve os planos adiante.
Metas Pessoais e Profissionais!

O item de maior importância na Administração do Tempo é, sem dúvida o estabelecimento de metas. Saber para onde se quer chegar é primordial para orientar todas as decisões de nossas vidas. Um velho provérbio diz: "Se você sabe para onde está indo, qualquer caminho fará com que você chegue lá", porém é ai que está o problema. Quem não sabe o que realmente é importante fica sempre "dando voltas" gastando esforços, sem saber a direção.

Quem tem metas definidas consegue direcionar ações e esforços, e todo as as suas atitudes possuem um propósito, o de alcançar a meta definida.

A meta é a visualização de um alvo.

A meta é o significado e o sentido da vida e é nela que está a felicidade e o prazer do trabalho.

Lembre-se sempre: As metas devem ser SMART.
  • ESpecifica
  • Mensurável
  • Alcançáveis
  • Representarem um desafio pessoas
  • Temporais
Extraído do ebook: Administração do tempo de Fernando Augusto